Fragments D’Un Discours Amoureux Par R. B.

by Matheus Trunkle

Mesmo diante de inúmeras possibilidades de impossibilidades arrasadoras, num momento de silêncio ele para para, logo em seguida, iniciar a pergunta que desencadearia o diálogo que iniciaria sua vida que não era uma das melhores. Você está gostando de mim, pergunta, Não sei, responde, Por quê, novamente pergunta, Não tenho certeza, novamente responde. O silêncio permeia os redores de cabeças fosse auréola de duras dúvidas. Nem eu, continua, É, talvez, completa, É, não sei, continua novamente, Não, tenho certeza, afirma em firmeza. Sem notarem a notável diferença que uma vírgula pode fazer, os dois amantes se alinham, pela primeira vez, um ombro é beijado e uma cabeça recostada na outra; mãos se juntam na afinidade afetiva de simplesmente estarem ali, sendo-humanos, e na espera de algo acontecer, percebem o quão revolucionária pode ser uma pergunta, ainda mais sua resposta. Amem, amém.

Advertisements