Terminal

by Matheus Trunkle

hieronymous-bosch-01

Tanto de tudo
Muita gente
Pouca gentileza
Seguimos máquina
Ciborgues naturais
Embora vivos sempre
Cadáver toda hora
Horror ao vazio
Eu tenho
O horror o horror
Somos todos os mesmos
Apagados
Me toma todo
Me torna nada
Menos
Na metamorfose dele
Recuso a fraqueza do câncer

Quero a força
Do que quer que seja

Advertisements