Redações

1989+Lucian Freud+Naked Man on Bed.jpg

Ana C
Não há corpo!
Esses são corpos quem sabe copos
Com a boca virada para baixo
Enfileirados à espera de filetes
De sangue
Translucidamente embriagado
Por sono quem sabe cansaço
De olhar muito tempo o corpo de um texto
Até perder de vista o que não seja corpo
Estrutura mole quem sabe líquida
Ósseo-sintaxe que derrete nas mãos
Feito parafina quente
Os corpos se difundem no momento exato
Em que minha gengiva sangra manchando
A língua